Meio&Mensagem
Publicidade

Maximídia

05 A 07 DE OUTUBRO - HOTEL UNIQUE - SÃO PAULO/SP

Quantas marcas – e dados – cabem em um cérebro?

Desafio da publicidade diante das limitações cognitivas e das novas tecnologias foram tema de painel da Kantar Ibope Media

Bárbara Sacchitiello
2 de outubro de 2018 - 18h50

Melissa Voguel e líderes de agências debatem sobre a forma como a indústria usa os dados (Crédito: Denise Tadei)

O consumidor sempre precisou estar no centro de qualquer estratégia de negócio. Essa necessidade, no entanto, passa a ser ainda mais latente quando analisamos os múltiplos desafios que o setor de consumo tem pela frente. Parte deles foi apresentada pela CEO da Kantar Ibope Media, Melissa Voguel, que fez um contraponto entre a forma como os dados e as múltiplas informações são capazes de aproximar empresas e pessoas e, ao mesmo tempo, ponderou como a capacidade cognitiva humana está apta a absorver esse oceano de impactos e informações diárias.

“Vivenciamos a terceira era do consumo, que será pautada por múltiplos desafios de capacidade. O primeiro é a economia, que já não cresce mais, em diversos mercados, como cresceu no passo. O segundo é a capacidade de recursos naturais, que é finita. E o terceiro desafio é a capacidade cognitiva do ser-humano. Todos somos expostos a uma quantidade infinita de dados, mas o cérebro continua sendo o mesmo”, ponderou Melissa.

Na opinião da executiva, a atividade de consumo será estruturada em três pilares: experiência, relacionamentos e algoritmos. Para fazer a diferença nesse mundo de conexões tão múltiplas e geração de dados mais rápida do que a capacidade humana de processa-los, terão lugar, segundo a CEO da Kantar Ibope no Brasil, as marcas que conseguiram transformar informações tecnológicas em conexões relevantes, estabelecendo relacionamentos sólidos com as pessoas.

Para entender como os líderes de agências estão lidando com esse desafio, Melissa convidou ao palco do Maximídia o CEO e chairman da WMcCann, Hugo Rodrigues, o CEO da J. Walter Thompson, Ezra Geld e o sócio e CCO da Suno, Guga Ketzer. Cada um dos líderes falou sobre os desafios de usar os dados em prol da conexão humana.

Na opinião de Hugo Rodrigues, é preciso primeiramente aceitar que é impossível entender e prever as novas lógicas de consumo. “Estamos menos fieis, que tem condições está mais exigente e isso se deve a um aumento incrível da oferta que temos. Hoje temos mais ofertas e opções que jamais tivemos e a tecnologia, com sua contínua reinvenção, amplia esse cenário. A capacidade de reinvenção da tecnologia, hoje, é maior do que nossa capacidade de absorção. As marcas têm de ser humildes para entender que isso fará com que elas tenham consumidores menos fieis”, analisou o CEO e chairman da WMcCann.

Guga Ketzer ressaltou que todo o avanço tecnológico não pode afastar nunca o caráter humano da atividade. “A base da comunicação é sobre o ser humano e entende-lo passa por compreender um pouco de seu processo cognitivo. Não temos noção da rela capacidade que temos de pegar esses dados e transformá-los em outra coisa. O que acho é que vivemos um processo de alimentação via feed, que nos alimenta o tempo todo. E aí, vale um questionamento: até que ponto um algoritmo pode decidir o que ele acha que eu quero ver? O que tornou o ser humano um animal não-convencional foi, entre outras habilidades, a de caçar e criar instrumentos de cala. Quando só alimentamos os consumidores, será que estamos dando exatamente o que eles querem?”, questionou Guga.

Ezra Geld alertou sobre a possibilidade de a indústria estar, de certa forma, repetindo conceitos anteriores. “A gente vem se valendo de ferramentas que, aparentemente, nos ajudam a gerar relevância. Entendemos que isso nos permite chegar a targets mas não percebemos que isso substituiu o conceito de interrupção que já existia antes”, destacou o líder da J. Walter Thompson.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Agências

  • Ezra Geld

  • Guga Ketzer

  • Hugo Rodrigues

  • Kantar Ibope Media

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”

Patrocínio Master

Realização