Meio&Mensagem
Publicidade

Maximídia

05 A 07 DE OUTUBRO - HOTEL UNIQUE - SÃO PAULO/SP

Mulheres: um alvo móvel para as marcas

Troiano Branding divulga resultado de estudo em que avalia como elas se vêm e o que projetam para si mesmas

Roseani Rocha
3 de outubro de 2017 - 17h01

Cecilia e Jaime Troiano apresentam resultados de estudo exclusivo sobre o público feminino (Crédito: Denise Tadei)

“Nunca foi tão difícil para as marcas se conectarem com as mulheres”, foi a frase de Jaime Troiano para iniciar o painel “Nem só bela, nem só fera: marcas na jornada do empoderamento feminino”, no qual, com Cecilia Troiano, trouxe resultados de um estudo realizado em São Paulo e Rio de Janeiro, com 500 mulheres, das classes A, B e C.

Segundo Jaime, após avaliar quatro ideias que surgiram como resultado da pesquisa, ficou claro que hoje as mulheres, para as marcas, são alvos móveis e que as empresas estão obesas de informação e anoréxicas de insights.

O estudo contrapôs o self atual (como as mulheres se veem), um espaço intermediário de idealização e o “self ideal” (ou como se projetam), justamente para avaliar como, com o advento do empoderamento feminino elas solucionam essa equação e que marcas são mais companheiras nessa jornada.

Cecilia Troiano apresentou as cinco ideias extraídas, a partir de 26 atributos com os quais as mulheres poderiam ou não se identificar, no self atual e no ideal, assim como, depois, fazer associação com marcas.

A primeira ideia é que o self atual revela um lado histórico do feminino, no qual elas se atribuíram adjetivos como confiável, sincera, inteligente (24%), boa profissional (23%) e dedicada (18%). No âmbito das imagens, apareceram em fotos com homem, na cozinha e com filhos. Já o self “ideal”, segundo Cecilia, traduz um projeto de felicidade do empoderamento feminino. Nesse aspecto, os atributos mais fortes foram boa profissional e inteligente (21%), criativa e corajosa (19%) e decidida (18%).  Nas representações em imagens vieram mulheres malhando, escalando, no trabalho e dirigindo. O terceiro ponto é que o movimento que alimenta sonhos, marcas e a economia é a passagem entre o self atual e o ideal. Finalmente, a quarta ideia foi “um sonho, múltiplas marcas”.

Nesse ponto, Cecilia apresentou resultados da avaliação de duas entre quatro categorias de produtos analisadas: Automóveis e Higiene e beleza. No primeiro caso, Toyota e Hyundai foram vistas como as marcas que mais acompanham essas consumidoras na transição entre o self atual e o ideal. Além das marcas asiáticas, estavam na avaliação as quatro mais tradicionais do mercado brasileiro: Volkswagen, GM, Fiat e Ford. Já na segunda categoria, destacaram-se Natura, O Boticário e Mary Kay, num universo em que também estavam presentes Avon e Jequiti.

A comparação entre o estudo atual e um outro semelhante feito há 18 anos, deixou claro que a mulher já se percebe de uma forma muito diferente e as marcas precisam pegar esse senso de movimento e mudança, caso queiram estabelecer um bom diálogo com essa força de consumo feminina.

 

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Cecilia Troiano

  • Jaime Troiano

  • Troiano Branding

  • consumo feminino

  • MaxiMídia

  • maximidia2017

  • Mulheres

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”

Patrocínio Master

Realização