Meio&Mensagem
Publicidade

Maximídia

2 E 3 DE OUTUBRO DE 2018 | HOTEL UNIQUE, SÃO PAULO - SP

“Por que deixar sua Maria em casa para fazer o que você faz?”

Eduardo Tracanella deixou o crachá de diretor de marketing institucional do Itaú Unibanco para questionar o propósito do mercado

Isabella Lessa
3 de outubro de 2018 - 12h24

Eduardo Tracanella (Crédito: Denise Tadei)

Antes de definir sobre o que seria o tema de sua palestra no Maximídia, Eduardo Tracanella pediu para não falar sobre o Itaú, onde exerce a função de diretor de marketing institucional e atacado. Vestido de maneira mais informal do que costuma ser visto em reuniões do banco ou em eventos corporativos, o executivo começou sua apresentação questionando o sentido do próprio Maximídia.

“A gente veio discutir como maximizar a mídia? Esse é um jeito meio reducionista que a gente tem de olhar para o mercado. A gente não discute o sistema viciado que a gente tem, formado por quatro partes – agência, anunciante, veículo e produtora – deveria ser um olhar mais amplo e diverso, a gente acaba subestimando as intersecções. A gente não determina objetivos comuns, que acabam sendo cada vez menos inspiradores”, disse, para então dar início ao seu raciocínio sobre pessoas e valor.

Antes que a plateia pudesse pensar que ele viria com discurso de auto-ajuda, alertou, bem-humorado, que não é hippie, afinal, trabalha em um banco. O ponto que ele quis levantar tem mais a ver com o valor do próprio mercado, que carece de autocrítica e de olhar sobre as pessoas para além da nomenclatura consumidor e, mais do que isso, sobre as relações humanas. Para ele, esse olhar sobre as pessoas é fundamental para o sucesso das organizações, tanto sob o aspecto interno quanto de entregas e resultados.

“Antes de perguntar quanto custa, se é caro ou barato, a pergunta é: o que eu conseguiria fazer somente com você? O que seria possível fazer se a gente fizesse juntos. Essa é a reflexão que sempre está subjugada no nosso mercado”, declarou, emendando que não se trata de ter prédios nababescos, puffs temáticos, prateleiras repletas de prêmios – ainda que sejam coisas legais – e tampouco chefs popstars.

E nem se trata de atrair pessoas, algo que considera uma armadilha. “Antes, a gente atraía essas pessoas e as deformávamos. Ficavam todas iguais à gente”. O desafio, disse ele, é ser escolhido pelas pessoas que têm inúmeras escolhas e estão mais empoderadas do que nunca estiveram. É pensar no que fazer para que as pessoas mais propositivas, talentosas e inspiradoras queiram trabalhar na indústria em vez de começarem a empreender seus próprios negócios.

Nesse sentido, observou Tracanella, os presentes na sala do Maximídia, ele mesmo incluso, devem refletir sobre suas capacidades de liderança. E isso estende-se a qualquer profissional, membro ou não do board de diretores. Para fazer esse exercício, Tracanella sugeriu algumas palavras-guia:

Empatia
“Reconhecer diferenças, entender o que é importante para o outro”

Humildade
“Nossa indústria calça um salto alto enorme. Desendeusem-se. O que a gente faz é legal, mas não é a coisa mais importante do mundo. Porém podem construir um valor menos mundano e mais de longo prazo. A vocação do líder é servir”.

Futurista
“As coisas estão mudando e isso é legal. Entendam a cultura popular para construir”.

Inventivo
“Criatividade não é tangível, inventivo é um passo à frente. Criatividade é combustível para inventividade, para a criação de coisas reais e tangíveis”.

Tecnólogo
“As pessoas que vão ter sucesso são aquelas que minimamente entendam sobre tecnologia para aumentar impacto e experiência. No futuro, o CMO será mistura de marketing com cultura”

Questionador
“Precisamos dar espaço para o questionamento. E para isso não podemos ficar crachazando as pessoas. É preciso coragem para desafiar o status quo”.

Humanitário
“O lado humano vai ser o diferencial em uma realidade em que as máquinas fazem o que a gente não consegue fazer”.

Propositor
“Incentivar que as pessoas possam colocar seus propósitos em perspectivas. Do contrário, vamos perde-las do ponto de vista física e de alma”.

Além do traje mais informal, Tracanella trouxe uma visão mais intimista para o palco com duas histórias pessoais: a de seu pai, que morreu jovem demais e odiava seu emprego; e a de sua filha Maria, por quem começou a se questionar se valia a pena sair de casa para passar o dia todo em um banco. “A gente não tem mais tempo, tem menos dinheiro mais desafio e mais incertezas. Precisamos parar de ser um mercado egoísta. Nosso valor vai ser construído a partir das pessoas e de suas diferenças. Por que deixar sua Maria em casa para fazer o que você faz? No meu caso é a Maria, mas nem precisa ser uma pessoa, pode ser aquilo que você mais gosta”, finalizou.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Eduardo Tracanella

  • Itaú

  • Itaú Unibanco Maximídia2018

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”

Patrocínio

Realização